Opinião

Um presidente para a globo chamar de seu?

08h:03min - 02 dez 2017 Por Percival Puggina

A candidatura de Luciano Huck a presidente da República é evidência de que o audacioso projeto de hegemonia da Rede Globo chegou a um ponto crucial. O risco de um conservador vencer a eleição é algo que ela não pode correr. A empresa tem rigoroso alinhamento com o projeto globalista, com a desconstrução da principal herança cultural da humanidade, com a impostura do “politicamente correto”, com o feminismo radical, com a ideologia de gênero, com as pautas abortistas e antinatalistas. Para seus fins, nada se compara à glória de um presidente saído de seu auditório. A próxima eleição presidencial é uma novela de cujo script a Rede Globo de Televisão não abre mão. Luciano Huck é parte dessa estratégia.
Quem diria que a empáfia da organização chegaria a esse ponto? Agora quer mandar no Brasil, em todos os horários. Plim, plim, povão!

Por outro lado, me pergunto: o que é preciso não haver na cabeça de um apresentador de TV que, belo dia, acorda disposto a ser presidente do Brasil? Qual o freio que se perdeu? Onde foram parar o autoconhecimento, a prudência, o discernimento? Uma vocação assim, explodindo no íntimo de alguém cuja informação sobre política não ultrapassa os limites da BoboNews, aciona um alerta impossível de ignorar. Luciano Huck deve ter ouvido, talvez no colégio, que na democracia (e eu explicito melhor “no presidencialismo”) qualquer um pode ser presidente da República. No entanto, trazer isso à primeira pessoa do singular já é motivo suficiente para que o bom senso do eleitor diga “Não!”.

Eu pensei que a dupla Lula e Dilma havia esgotado a pauta das irresponsabilidades eleitorais na grande política no Brasil. Mas estava enganado. A Rede Globo percebeu que a república é um programa de auditório. E vista pelo lado errado é mesmo, como bem se sabe. Mas daí a profissionalizar o espetáculo, entregando a presidência ao animador, vai uma grande distância.

Confiar a nação aos cuidados de um funcionário da Rede Globo é a penúltima insanidade que se poderia cometer no ano que vem. A última seria a volta de Lula. A Globo responde diretamente pela desordem moral do país, pela degradação das condutas, pela destruição dos valores em cuja ausência os patifes se multiplicam em larga escala. Ou alguém acredita que a imagem internacional do brasileiro é uma invencionice externa e não uma operosa construção local?

Para o bem do Brasil, a grande prova do Caldeirão eleitoral de 2018 precisa ter um final qualitativamente superior a Luciano Huck. Ele é a força da Globo na disputa e isso é vício de origem.

* Percival Puggina (72), membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. integrante do grupo Pensar+.

Deixe seu comentário

Ver todas as notícias